Diálogo Interativo

Espaço para troca de ideias sobre diversos assuntos, com destaque para atualidades, comunicação, política, educação e relações humanas.

26 outubro, 2006

Coração ainda cheio de esperança e fé

Este é meu último texto antes das eleições de domingo. Não tenho muito o que escrever. Os leitores deste blog já conhecem minha posição sobre o que espero que aconteça ao "abrir" das urnas.

Os levantamentos apontam para a reeleição de Lula. Considero pesquisa como fotografia — um retrato de determinado momento sob determinado ângulo. Uma referência, apenas. A referência é favorável, mas só vamos ter o fato em si depois da contagem dos votos. O futuro do país será desenhado por mais de cem milhões de mãos (e corações e mentes) durante as nove horas de duração da votação no dia 29.

Tenho tendências ao parlamentarismo. Embora respeite, admire e faça apologia à história pessoal e política de Lula, que completa 61 anos amanhã, considero que um governo faz menos melecas na proporção inversa ao número de pessoas envolvidas na tomada de decisão. Quanto mais plurais forem os pontos de vista, mais acertadas tendem a ser as decisões e ações de governo. Naquele plebiscito de 1993, furei a decisão partidária e votei no Parlamentarismo. Na época, o PT pregou o Presidencialismo dizendo que os parlamentaristas queriam impedir Lula de governar (todas as pesquisas feitas entre dezembro de 1989 — logo após a vitória de Fernando Collor — e julho de 1994, apontavam Lula como favorito). O Presidencialismo foi mantido mas Lula não foi eleito. A gente não pode ser casuísta, ser favorável a este ou aquele aspecto da política só porque nos favorece num dado momento. Isto vale para reeleição, voto distrital e outros dogmas que serão debatidos sobre a Reforma Política. A reeleição interessou ao PSDB porque FHC estava no poder. Agora não interessa mais ao mesmo PSDB porque Serra e Aécio querem disputar o Planalto e Alckmin pode ser uma pedra em seus sapatos caso ganhe a eleição (cruzes!!!). E assim caminha a Humanidade tupiniquim.

Considero que o governo Lula, mesmo com todos os erros e contradições, foi o que mais acertou. A prioridade às ações de redução da pobreza e da miséria deveriam estar no capítulo 1 de qualquer programa de governo. E, diferentemente de 2002, Lula fez esta campanha com uma extensa folha de serviços prestados aos brasileiros. Não que não tivesse trabalhado pela coletividade desde os tempos de metalúrgico. Mas com o governo na mão, pode-se fazer mais, tem-se mais poder. É isso. Poder fazer mais.

Lá em cima disse que não teria muito o que escrever. Engano. Acabei me entusiasmando. Mas agora fecho estas palavras com o coração leve e com a consciência tranqüila. Seja qual for o resultado, ajudei a campanha de Lula da forma que sei e que pude fazer. Escrevi aqui no Diálogo, repassei textos por e-mail, fui pra rua, distribuí panfletos, participei de reuniões, participei de comício e de bandeiraço, mandei mensagens por celular, usei estrelinha no peito, colei adesivo no carro e na janela do apartamento, conversei com muita gente...

Na política e na História, mudanças só dão resultado depois de um longo, às vezes longuíssimo, prazo. E eu quero estar vivo para saborear pelo menos um pouco desse resultado. As futuras gerações agradecem, até porque o Brasil que sonho para meus filhos tem muitíssima interseção com o Brasil que começou a se desenhar a partir do início de 2003.

"Fé na vida, fé no homem, fé no que virá". Abraços a todos e bom voto.

3 Comments:

  • At 21:42, Blogger Carmen said…

    João:

    Também admiro a trajetória do Lula. E ainda mais depois de assistir ao Entreatos - documentário sobre aquele intermezzo na eleição passada - porque ali a gente viu no que a trajetória de Lula o transformou. Realmente alguém apto a governar o país. Acho execrável esse argumento de que ele não estudou. Pode não ter feito faculdade, mas estudou muito sim. E aprendeu muito mais do que nós que "esquentamos" os bancos da universidade. Ele é bem mais capaz do que muitos de nós, se considerarmos de onde partiu e onde chegou. Realmente o admiro.

    Contudo isto não significa que eu o queira como presidente novamente. Minha opção inicial era outra, já declarei aqui. Agora meu voto vai mais por repúdio aos tucanos e à direita brasileira. É impossível para mim votar em PSDB. Será o fim do mundo o dia que as eleições tiverem que ser definidas entre PSDB e PFL. Talvez neste dia eu vote nulo.

    Agora fico com o menos mau. Nada contra Lula, mas ele tem staff, né?

    Bem, é isso. Bom voto para você também e seja o que Deus quiser.

     
  • At 23:22, Blogger Ane Brasil said…

    Vixe, até tinha esquecido do tal plebiscito golpista... foi bom vc ter refrescado a minha memória.
    assim como vc já abri meu voto.
    embora não tenha mesma paciência - e talento - pra elencar argumentos.
    tenho pedido a Deus, a Buda, a Jeová, Oxalá e Krishna que, no segundo mandato, aconteça tudo aquilo que deveria ter acontecido no primeiro!
    Sorte e saúde pra todos!

     
  • At 14:38, Blogger João Flávio Resende said…

    Carmen e Ane,

    Ninguém "acusou" Lula de "analfabeto" nessa campanha. Viram que não colou na eleição de 2002. Menos mal. Considero-o o brasileiro mais preparado para qualquer função pública, principalmente para a de presidente.

    Lula tem feito o discurso da "casa arrumada", que agora o Brasil tem condições de alçar vôo. É o que espero que aconteça.

    Abraços.

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home